Artigos

Artigo: Evolução das lentes progressivas - Primeira Geração

Primeira Geração: a primeira lente progressiva                    

               

    Bernard Maitenaz:                                                                                                                                                                                                                          

inventor progress

Após diversas tentativas infrutíferas levadas a cabo desde o início do século XX, as primeiras lentes progressivas surgiram na França, em 1959. Consistiam essencialmente numa ligação, por meiode uma superfície contínua, de uma zona de visão de longe e de uma zona de visão de perto, ambas esféricas. Naquela época, o desafio residia mais no domínio da mecânica que da óptica, pois consistia fundamentalmente em conceber máquinas que permitissem fabricar superfícies ópticas de não-revolução. Através da adoção de um princípio de cálculo e de ponto por ponto das superfícies, e do recurso a técnicas de reprodução de uma superfície modelo e de polimento flexível, foi possível executar e comercializar então a primeira lente progressiva com a designação de Varilux. A invenção desta lente deve-se a Bernard Maitenaz da "Société des Lunetiers" (ou S.L  que posteriormente se tornaria na Essel e, por fusão com a empresa Silor, daria origem à Essilor).

Nas primeiras lentes progressivas, comercializadas com o nome Varilux em 1959, a zona de visão de perto largamente estabilizada, para se aproximar da estrutura das lentes bifocais que as lentes progressivas estavam destinadas a substituir.

Na concepção da Varilux 1, deu-se particular atenção às zonas de visão de longe e de visão de perto da lente, e atribuiu-se menor importância à zona de visão intermediária e às zonas periféricas. Esta lente continha fortes aberrações laterais e exigia dos utilizadores um verdadeiro esforço de adaptação. Propor uma lente com tais imperfeições era, na época, uma verdadeira missão impossível, e além dos desafios técnicos, era necessário também ultrapassar o cepticismo dos profissionais de óptica oftálmica. Mas a obstinação dos criadores permitiu demonstrar que a execução de tais lentes progressivas era possível e indicar a via a seguir para as aperfeiçoar: a de uma melhor compreensão da visão periférica através de uma lente oftálmica e o aumento da sua importância na concepção das superfícies progressivas. Varilux 1, embora sendo a primeira realização de uma lente progressiva, incluia todos os princípios de base, estando na origem duma das maiores inovações que o mundo da óptica oftálmica alguma vez iria conhecer.

Fonte: Cadernos de Óptica Oftálmica / Lentes Progressivas / Essilor 

 

Imprimir Email